Você está preparado para falar de improviso?

Olá, Speaker! Tudo bem?

Nos nossos textos aqui no BLOG, sempre ressalto a importância de nos prepararmos antes de uma apresentação em público, não é verdade? Criar um roteiro com as palavras-chaves que definem o tema a ser abordado, pesquisar (o máximo possível) sobre o que iremos falar e praticar em voz alta a nossa fala são algumas das ações que devem – sim ou sim – estar presentes durante a preparação.

Bem, e quando somos convidados para falar em público sem um aviso prévio?

Em algum momento da sua vida, você foi chamado para fazer um discurso em algum evento familiar ou de trabalho de forma inesperada? Ou, ainda, teve que substituir um colega e acabou ficando responsável (de última hora) por uma grande apresentação na sua empresa?

Situações assim acontecem. E, no ambiente profissional, acontecem com frequência. Por essa razão, especialmente no âmbito corporativo, saber falar (bem) de improviso é uma das habilidades comunicacionais requisitadas.

Quando eu digo que devemos “nos preparar para falar de improviso”, pode parecer contraditório, não é? “Ora, Lívia, se é improviso, não tem como me preparar com antecedência”. Tem, sim, Speaker!

Neste artigo, separei as principais técnicas de oratória que são indicadas para falar de improviso em qualquer situação. Confira!

O que é o improviso?

Assim como há a expressão “a arte de falar em público”, também existe a “arte de improvisar”. Tanto a primeira como a segunda são habilidades, que, como sempre faço questão de lembrar, são desenvolvidas com o tempo, o esforço e a prática.

Falar de improviso é, em suma, vivenciar uma situação de exposição de fala sem aviso prévio, ou seja, sem ter tido o tempo necessário para se preparar de forma conveniente, realizando todos os passos dos quais falamos no começo deste artigo.

Falar de improviso é um grande desafio e, por isso mesmo, desperta o nervosismo de muitas pessoas. Se o medo de falar em público existe quando podemos nos preparar para uma apresentação e é grande, o nervosismo, caso sejamos pegos de surpresa, pode ser ainda maior.

Assim sendo, a necessidade de manter a calma e procurar controlar sentimentos negativos, como a insegurança e a ansiedade, precisa ser trabalhada constantemente. Se você está imerso no mercado de trabalho, especialmente no ambiente corporativo, ou se deseja fazer parte desse universo, tenha isso em mente: falar de improviso fará parte do seu dia a dia. E é preciso lidar com isso.

Antes de mais nada, é indispensável esclarecer um erro muito comum quando pensamos no que é o improviso. Improvisar é falar sobre algo do qual sabemos, mesmo sem termos tido o tempo para nos prepararmos com antecedência. Por outro lado, falar de um assunto do qual não temos conhecimento não é improvisar, mas, sim, assumir um grande risco e estarmos expostos, colocando em xeque nossa imagem profissional.

Muitos pensam que o improviso, por estar diretamente relacionado ao surpreendente, é algo para o qual não se pode estar preparado. Mas, se nos atentamos para os conceitos que vimos até aqui, a ideia de nos prepararmos para falar de improviso deixa de parecer contraditória e passa a ser o que realmente é: uma das habilidades comunicativas que precisamos desenvolver.

Quais as melhores técnicas para falar de improviso?

Como não sabemos quando teremos que falar de improviso, as técnicas das quais falaremos a seguir envolvem hábitos constantes. Vejamos quais são:

  1. Mantenha-se informado. Todo o tempo.

É de suma importância estarmos por dentro dos principais assuntos debatidos na mídia, acompanhando as notícias – do nosso país e do mundo – que poderão ser utilizadas como assunto de apoio (assunto esse que veremos mais detalhadamente a seguir).

Se somos profissionais que nos dedicamos a uma área específica, é indispensável nos atualizarmos constantemente sobre os assuntos relacionados ao nosso trabalho. Desse modo, se tivermos que encarar uma situação de exposição de fala inesperada, evitaremos abordar temas desatualizados ou citar dados obsoletos.

Dependendo do contexto, e especialmente no universo corporativo, as pessoas que nos convidam a falar sobre algo imaginam que dominamos o assunto em questão porque ele faz parte da nossa profissão ou é de conhecimento e tem destaque público na mídia, por exemplo. Sendo assim, um dos principais cuidados e hábitos é estarmos informados sobre os temas atuais e sobre aqueles que fazem parte da nossa profissão.

  1. Tenha um assunto de apoio

No tópico anterior, citei o chamado assunto de apoio, mas o que é isso, afinal? O assunto de apoio é algo que dominamos e do qual podemos falar com segurança e desenvoltura.

Esse tema de apoio é fundamental em falas de improviso, principalmente se teremos que falar sobre determinado assunto sobre o qual não temos tanto conhecimento quanto é necessário em uma exposição oral. Nesses casos, começamos a nossa fala justamente pelo tema de apoio, que servirá como uma espécie de ponte até chegarmos ao tópico seguinte.

Em outras palavras, antes de chegar ao ponto central da sua fala de improviso – que é o assunto central –, o comunicador recorre ao seu tema de apoio, utilizando-o para aumentar a autoconfiança nos primeiros minutos da sua fala e também para transmitir uma boa imagem inicial para a audiência.

O grande desafio é conseguir relacionar o tema central e o tema de apoio de uma forma sutil. Vale lembrar que o tema de apoio pode ser uma experiência própria, uma notícia que você leu há pouco tempo ou qualquer outro assunto que possa dar a confiança necessária para começar a sua fala e servir de ponte para o tópico central.

  1. Use a técnica da storytelling

Contar uma história é sempre uma boa ideia e é justamente por isso que a técnica conhecida como storytelling pode ser usada em praticamente todas as situações de exposição de fala, incluindo, claro, as que acontecem de improviso.

No entanto, nas falas de improviso, essa técnica tem um papel ainda mais importante e pode ser a chave para garantir o sucesso da performance do comunicador. Vou explicar o motivo: quando temos tempo para nos prepararmos para uma apresentação em público, podemos (e devemos) criar um roteiro que nos guiará durante a nossa fala. No improviso, sem a oportunidade de criar esse roteiro, as chances de que nos sintamos perdidos quando começarmos a falar são maiores e contar uma história significará esse elo, nos auxiliando a manter a coerência e assertividade.

 

Essas três técnicas/hábitos podem fazer com que uma fala de improviso se torne uma ótima experiência para inspirar pessoas e transmitir uma boa imagem pessoal! Se você está insatisfeito com a forma como se comunica com os demais, conheça nossos treinamentos em oratória!

Avalie este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *